Agradecimentos
Este projeto contou com o interesse, o esforço e o trabalho
de encaminhamento do deputado federal e filho de Oliveira -
doutor Eliseu Resende (PFL-MG); do senador e ex-presidente
da República - doutor José Sarney (PMDB-AP) e
do engenheiro oliveirense Rúbio Fernal Ferreira Souza,
pessoas a quem agradecemos, em nome do povo de Minas e
do Brasil, pelo reconhecimento da importância cívica,
histórica e cidadã deste acervo.
Um projeto de preservação histórica em microfilme e meio magnético
            Os 118 anos de circulação, completados no dia 4 de setembro de 2005, fazem da Gazeta de Minas o jornal mais antigo do Estado de Minas Gerais e o oitavo mais antigo de todo o Brasil. Seu acervo, representado pelos originais de cada uma de suas milhares de edições, está guardado na sede do periódico, em Oliveira. São cerca de 32.000 páginas originais, que representam, com certeza, uma das mais importantes coleções históricas do jornalismo mineiro.
            Os documentos originais que compõem o acervo histórico da Gazeta de Minas estão impressos em papel-jornal. Esse material é caracterizado pela fragilidade. Por isso necessita de constantes cuidados, tendo passado, no transcorrer do tempo, por algumas restaurações rudimentares. As primeiras 10 edições foram pulverizadas. Não existem mais. O restante do material corre o risco de se perder, de forma irrecuperável, por causa da umidade natural, ataque de pragas, bactérias e fungos, e a deterioração natural do papel de baixo peso.
            Por se tratar de uma inigualável e ainda pouco conhecida fonte de informação, consideramos urgente o desenvolvimento de um projeto que pudesse perenizar o acervo, na verdade um riquíssimo patrimônio histórico do povo de Minas e do Brasil. A solução encontrada foi a microfilmagem de todo o material e a sua ampla disponibilização para estudos, pesquisas e trabalhos nas áreas científica, escolar e acadêmica.
            Para tornar esse grande acervo plenamente útil, precisávamos acrescentar a ele uma ferramenta de pesquisa virtual e interativa, com capacidade para fácil localização das edições através do tempo. Surgiu então a possibilidade técnica de digitalização dos microfilmes, trabalhando-os na área da informática, com certeza a maior descoberta da moderna comunicação, dando, então, amplo acesso de pesquisa ao público, por meio de um sistema de intranet e, posteriormente, pela internet.
            O projeto é pioneiro em Minas, por isso se reveste de uma importância ainda maior para os setores afins. Aliando pela primeira vez tecnologia de ponta à história, no sentido de tornar possível a disponibilização de todas as edições em "on-line", com acesso universalizado, o projeto despertou a atenção dos órgãos governamentais ligados à área de preservação histórica em Minas.
            Foi recebido com empolgação pelo secretário de Estado da Cultura, dr. Ângelo Oswaldo, durante apresentação do trabalho em Belo Horizonte. Após aquilatar a abrangência das ferramentas tecnológicas ora usadas, o secretário avaliou o trabalho como "projeto-piloto", parâmetro exemplar para possível aplicação da tecnologia nos grandes acervos documentais, hoje guardados pelo Arquivo Público Mineiro.
            É assim que apresentamos, finalmente, este trabalho já concluído, fruto da capacidade do ser humano de não apenas fazer história, mas principalmente torná-la viva e plenamente útil ao nosso tempo, com capacidade para transformar o mundo hodierno em algo cada vez mais pleno de dignidade e cidadania, por meio do acesso democrático e irrestrito à informação.
Oliveira, janeiro de 2006
João Bosco Ribeiro - editor